Dia-a-dia

Pesquisador de MS atua em estudo internacional da WWF sobre a Bacia do Paraguai

O professor da Uniderp e biólogo José Sabino é um dos representantes de Mato Grosso do Sul no grupo de especialistas em Meio Ambiente que discutem a atualização do Índice de Risco Ecológico (IRE) da Bacia do Paraguai, em um encontro promovido pela WWF-Brasil, em Brasília. O instrumento, lançado em 2012, permite avaliar o estresse que o ecossistema está submetido, por meio da identificação e classificação das ameaças em relação à severidade e também mapeamento da frequência de ocorrência. Mais de 20 pesquisadores nacionais e estrangeiros, vindos da Argentina, da Bolívia e do Paraguai, integram a discussão.

Doutor em Ecologia, Sabino é docente nos programas de mestrado e doutorado em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional da Uniderp e possui reconhecimento internacional pelo Projeto Peixes de Bonito, que desenvolve pesquisa sobre ecologia e comportamento de peixes e tem como objetivos a conservação da biodiversidade e o uso sustentável dos rios do Planalto da Bodoquena.

“Em território nacional, a Bacia do Alto Paraguai está apenas no Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Em Brasília, estamos identificando os agentes estressores e vamos elencar os riscos para gerar mapas e dados para conservação e sustentabilidade da região, informações que servirão de subsídio para o poder público e a sociedade no desenvolvimento de ações de proteção e redução de impacto na área”, explica o professor. Com extensão de aproximadamente 368 mil km², a Bacia do Alto Paraguai está localizada no Pantanal, a maior planície alagável do planeta, também reconhecido como Patrimônio Nacional pela Constituição Federal e Reserva da Biosfera e Patrimônio Natural da Humanidade pela Unesco.

“É importante ressaltar que os múltiplos usos da região para agricultura, pecuária mineração e turismo devem obedecer a regras de conservação para minimizar os impactos na busca da sustentabilidade das atividades. A meta é conciliar a produção com boas práticas ambientais, de maneira a proteger os serviços ecossistêmicos”, esclarece Sabino.

A primeira edição do IRE – idealizada pela WWF Brasil e a The Nature Conservancy (TNC), maior organização ambiental do mundo, aponta que, apesar da sua importância ecológica e econômica, os ambientes aquáticos da Bacia do rio Paraguai são constantemente ameaçados pela degradação, especialmente nos planaltos e chapadões que circundam o Pantanal, onde nascem os principais rios que mantêm viva a planície, em áreas de Cerrado. Por tais fatores, é fundamental conhecer como ameaças, isoladas ou em conjunto, afetam sua integridade ecológica, pois as mudanças climáticas podem aumentar a força e quantidade de inundações ou secas, por exemplo.

Deixe um Comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Cultivamos diálogos não-violentos. Xingamentos, ofensas, ataques pessoais, spam, manifestações de preconceito e comentários fora de contexto não serão tolerados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *